top of page

Um poema transmusical de Ricardo Silvestrin

 

RICARDO SILVESTRIN / FOTO: DIVULGAÇÃO




As três linhas do teclado



quando when então ris teus yes uns ínfimos oceanos pacíficos

assim sair da fossa grande haja já kilos lemes

zênites x-files camadas vulneráveis bem no meio,!.?

 

quem who esteve rindo teus yankes uivos iniciais ontem pois

até sem dar forma geral há jóias kilates letais

zaz xerxes corre vai busca nunca mais!,?.

 

que what é riacho tanto young ungido indo ou parando

a seu dia fatal gente humanos jedais kurossawas leões

zeus xis calabresa vulcões baratas nada mutantes!,.?

 

quartzo wind est rabino tem yupies undergrounds índices ópios popeyes

ah santos da feira gigantesca histórica juvenil ki-bon limão

zum-zum-zum xará camarada véio brother nuvem mnemônica!,?.

 

quanta whuala era raiz turca yeah-yeah-yeah uiva itinerante ovo parado

asno sádico duvidoso feroz ganancioso homem jumento kilowat lúcifer

zazueira xixi cueca vasilhame borifado na mão!,.?

 

quantia w.c. éramos ratos todos yens u.s.a indianos outro país

amado seis direções fantasmagóricas gentílico hasta jamaica kumon livre

zuza xenofante castrinho vavá baltazar neca marião!,?.

 

quack w-brasil eu ricardo tatuado y&r uniteds international org papo

amante secundário dionisíaco fértil gimnosperma himeneu jericó k&k luz

zulu xaxado carimbó valsa berimbau negritude mar,!.?

 

quacker west end rides that your union in own partner

aparte sândalos demasiados focais gerenciáveis histéricos just keep lilás

zunindo xote comportado visceral bamba naná meritório!,?.

 

quedar-se wanderley ernesto riomar tentem yamandu umberto ivete odair podem

azarar semblantes deificados fariseus glorificados húmus jantares kenesianos lautos

zzzzzz xuxu cante vibre bata nade meu!,?.

 

quiabo world entalado reticente tribal yo under into ontológico paleontólogo

antepassado secular desde firmamento globalizado hunter job key lançar

zarabatana xerox cópia vício bastante novo medieval!,?.

 

quieco windown eva raios turvos yves ucraniano inicialmente orquestrado para

amenizar sons distorcidos fracos gorados hasteados juizados kantianos lusitanos

zuzu xico caetano vandré bituca nei matogrosso,!.?

 

querência wonderfull essa rastaquera titica y una imersa onde poderia

andar sim dizer fique grite hotéis juntos kids lascivos

zelândia xexelenta cambada vivaldina burocrática numismática medrosa!,?.

 

querer western endêmico raro total youtube urbe imperial ostra pueril

artificial saudável donde faísca garganta hum jujuba kiss love

zélia xamânica cantante veloz biruta nupcial matrimonial!,.?

 

q-suco walmart enamorados rurais transatlânticos yahoo umberto interior outorgado por

afinidade sacerdotal dantesca farinha gelatinosa hein janela kodak lentes

zorra xenofóbica contém vacina boreal nitrogênio medicinal!,?.

 

quiches watson elementares racionais torpes ymca uva intoxicada omelete pobre

afeito sirenes destroçadas fiéis grandiloqüentes harpas jenipapos kanikama leve

zyb xavier cunha vieira bragança noronha moraes!,?.





Ricardo Silvestrin nasceu em Porto Alegre, capital do Estado brasileiro do Rio Grande do Sul, em 1963. Poeta, ficcionista, músico e tradutor dos mais ativos da cena contemporânea com inúmeros títulos publicados, inclusive no campo da literatura infantil. Estudou Letras na UFRGS, pela qual também é Mestre em literatura brasileira com pesquisa sobre Manuel Bandeira. Dirigiu o Instituto Estadual do Livro, órgão da Secretaria de Cultura do Rio Grande do Sul, implementando políticas públicas inovadoras no âmbito da formação de leitores. Na música, participou das bandas Os Três Poetas, Os Ladinos e integra ainda, ao lado de Ronald Augusto e Alexandre Brito, a banda Os poETs, com a qual lançou dois cds e um dvd. Também tem seu trabalho solo, tendo lançado o álbum "Silvestream". Recebeu por cinco vezes o prêmio Açorianos de Literatura.

 

100 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Kommentare


bottom of page