Sphera:
Habitações do Encantado

Sphera é uma revista de caráter multidisciplinar – jornalístico, literário, cultural e científico – dedicada à publicação de textos de e sobre Cruz e Souza (CS), bem como textos que interajam direta ou indiretamente com o poeta, com sua obra, com o seu tempo e espaço imediatos, remotos ou posteriores. A palavra Sphera, com essa grafia vigente no século XIX, é recorrente na obra de CS; o mote “Habitações do Encantado” alude à noção heideggeriana sobre a poesia como habitat do homem e ao bairro suburbano que CS e sua família efetivamente habitaram.

Linha editorial

 

Sphera tem linha editorial aberta, sem restrições de qualquer natureza - ideologia, gênero, raça, classe, etnia, nacionalidade, credo etc -, pautada por valores que norteiam a obra de CS: humanismo, universalidade, multilinguismo, criticidade, cosmopolitismo. 

Objetivos

 

1) Preservar o patrimônio material e imaterial da Obra de Cruz e Souza;

2) Publicar fac-símiles de textos de e sobre CS;

3) Publicar traduções de textos de e sobre CS;

4) Publicar textos diversos (ensaio, crítica, notícia, entrevista, reportagem, resenha etc.) sobre CS;

5) Publicar textos de e sobre autores, obras, tendências artístico-literárias e temas afins de Cruz e Souza;

6) Promover diálogos entre autores contemporâneos que se vinculam de algum modo ao horizonte do Simbolismo e de CS;

7) Incentivar o interesse pela obra de CS.

 

Periodicidade

Anual

Responsabilidade editorial

INMENSA  [Cultura, Mídia, Educação]

Equipe

 

Publisher

Anelito de Oliveira

 

Webprodução

Andréia Carvalho Gavita

 

Revisão

Ronald Polito

 

Assistência jurídica

Carlos Eduardo Araújo

 

CONSELHOS

 

Conselho de Redação

 

+Carlos Emílio Corrêa Lima (1956 - 2022: Fortaleza, Brasil)

Cláudio Daniel (São Paulo, Brasil)

Eduardo de Assis Duarte (Belo Horizonte, Brasil)

Godofredo de Oliveira Neto (Rio de Janeiro, Brasil)

Guilheme Mansur (Ouro Preto, Brasil)

Juan Marcello (Rio de Janeiro, Brasil)

Luís Serguilha (Recife, Brasil)

Luís Turiba (Rio de Janeiro, Brasil)

Mário Alex Rosa (Belo Horizonte, Brasil)

Ivone Daré Rabello (São Paulo, Brasil)

Raimundo Carvalho (Vitória, Brasil)

Ronald Augusto (Porto Alegre, Brasil)

Sylvio Back (Rio de Janeiro, Brasil)

Tânia Lima (Natal, Brasil)

Tom Farias (São Paulo, Brasil)

 

 

Conselho Editorial

 

Abreu Paxe (Luanda, Angola)

Afonso Henriques Neto (Rio de Janeiro, Brasil)

Adriano Espínola (Rio de Janeiro, Brasil)

André Vallias (Rio de Janeiro, Brasil)

Andréia Guerini (Florianópolis, Brasil)

Carlito Azevedo (Rio de Janeiro, Brasil)

Carlos Ávila (Belo Horizonte, Brasil)

Carlos Rennó (São Paulo, Brasil)

Eduardo Sterzi (São Paulo, Brasil)

Evando Nascimento (Rio de Janeiro, Brasil)

Fernando Paixão (São Paulo, Brasil)

Marcos Antônio Alexandre (Belo Horizonte, Brasil)

Marcos Bagno (Brasília, Brasil)

Maurício Salles Vasconcellos (São Paulo, Brasil)

Rodrigo Garcia Lopes (Londrina, Paraná)

Edimilson de Almeida Pereira (Juiz de Fora, Brasil)

Enilce Albergaria (Juiz de Fora, Brasil)

Ésio Macedo Ribeiro (Chicago, Estados Unidos)

Gustavo Ribeiro Silveira (Belo Horizonte, Brasil)

Jair Tadeu da Fonseca (Florianópolis, Brasil)

José Luís Jobim (Rio de Janeiro, Brasil)

Juan Marcello (Rio de Janeiro, Brasil)

Júlio Castañon Guimarães (Rio de Janeiro, Brasil)

Leandro Garcia (Petrópolis, Brasil)

Leonardo Tonus (Paris, França)

Maria do Sameiro Barroso (Lisboa, Portugal)

Régis Bonvicino (São Paulo, Brasil)

Ricardo Silvestrin (Porto Alegre, Brasil)

Ricardo Aleixo (Belo Horizonte, Brasil)

Sabrina Sedlmayer (Belo Horizonte, Brasil)

Sérgio Alcides (Belo Horizonte, Brasil)

Susanna Busato (São José do Rio Preto)

Telma Scherer (Florianópolis, Brasil)

Wilberth Salgueiro (Vitória, Brasil)

 

Conselho Consultivo

Aguinaldo Gonçalves (São José do Rio Preto, São Paulo) 

 Alcir Pécora (Campinas, Brasil)

Angelo Oswaldo de Araújo Santos (Ouro Preto, Brasil)

Antônio Carlos Secchin (Rio de Janeiro, Brasil)

Antônio Sérgio Bueno (Belo Horizonte, Brasil)

Carlos Eduardo Araújo (Belo Horizonte, Brasil)

Carlos Mendes de Sousa (Braga, Portugal)

Cláudio Willer (São Paulo, Brasil)

Constância Lima Duarte (Belo Horizonte, Brasil)

Davi Arrigucci Jr. (São Paulo, Brasil)

Guido Bilharinho  (Uberaba, Brasil)

Edgard Pereira (Belo Horizonte, Brasil)

Ettore Finazzi-Agrò (Roma, Itália)

Jacyntho Lins Brandão (Belo Horizonte, Brasil)

João Almino (Quito, Equador)

Leda Martins (Belo Horizonte, Brasil)

Luci Collin (Curitiba, Brasil)

Paulo Lins (Rio de Janeiro, Brasil)

Pedro Serra (Salamanca, Espanha)

Péricles Cavalcanti (São Paulo, Brasil)

Rogério Tavares (Belo Horizonte)

Rosa Freire D´Aguiar (Paris, França)

Silviano Santiago  (Rio de Janeiro, Brasil)

Vicente Cecim (1946-2021 - Belém, Brasil)

 

Política editorial

 

Sphera publica texto verbal escrito em língua portuguesa com total respeito às convenções gramaticais de cada um dos países integrantes do macrossistema lusófono, a saber por ordem alfabética: Angola, Brasil, Cabo Verde, Goa, Guiné-Bissal, Macau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor Leste;

O escopo editorial de Sphera é jornalístico, literário, cultural e científico, campos cognitivos que se colocam como referência para todo o conteúdo de interesse da Revista, sendo automaticamente considerado inadequado para publicação qualquer conteúdo que não se enquadre em nenhum desses campos.

Sphera é um periódico empenhado na exploração do legado literário do poeta simbolista brasileiro João da Cruz e Souza (1861-1898), de forma a valorizá-lo como objeto semiótico dinâmico que ultrapassa metaforicamente seu contexto de produção, sendo passível, por isso mesmo, de intercessões teórico-críticas férteis.

Em razão desse empenho específico, Sphera tem como propósito prioritário divulgar

  1. Conteúdos inéditos produzidos por membros dos seus Conselhos de Redação, Editorial e Consultivo sobre Cruz e Souza, outros autores, obras e temas afins;

  2. Conteúdos relevantes, inéditos ou raros, sobre Cruz e Souza, outros autores, obras e temas afins pesquisados e propostos pelos membros dos três Conselhos da Revista;

  3. Conteúdos jornalísticos ou culturais inéditos sobre Cruz e Souza, outros autores, obras, eventos e temas afins do universo da revista produzidos pela Editoria da Revista;

  4. Conteúdos inéditos sobre Cruz e Souza, outros autores e obras afins encomendados por membros dos Conselhos da Revista;

  5. E, finalmente, conteúdos inéditos produzidos por pesquisadores Doutores, Escritores consagrados ou detentores de notório saber em Cruz e Souza ou questões afins apresentados à Revista em conformidade com chamadas para publicação.

 

Sphera publica os seguintes gêneros discursivos:

  1. Notícia;

  2. Entrevista;

  3. Reportagem;

  4. Fotografia;

  5. Ensaio crítico;

  6. Crítica;

  7. Resenha;

  8. Memória;

  9. Poema;

  10. Conto;

  11. Crônica;

  12. Fragmento ficcional.

 

Sphera não exige pagamento a autores para publicação de quaisquer conteúdos. O acesso ao periódico no espaço virtual é livre. A Revista também não remunera colaboradores. Trata-se de trabalho intelectual voluntário com o intuito de fazer jus à memória do maior poeta negro da língua portuguesa.

 

Regimento Editorial

 

Sphera é regida pelos seguintes valores éticos, culturais e estéticos:

 

  1. Liberdade de pensamento;

  2. Liberdade de expressão;

  3. Respeito à diversidade de raça, gênero, classe, credo e nacionalidade;

  4. Refutação a quaisquer formas de preconceito, discriminação e intolerância;

  5. Respeito irrestrito à democracia;

  6. Refutação de quaisquer formas de autoritarismo;

  7. Refutação de quaisquer formas de fascismo;

  8. Refutação de quaisquer formas de negativismo da Ciência;

  9. Acolhimento somente de perspectivas ideológicas progressistas;

  10. Acolhimento somente de orientações estéticas eticamente responsáveis;

  11. Defesa incondicional  dos direitos humanos;

  12. Tratamento eticamente responsável da matéria histórica;

  13. Tratamento eticamente responsável da matéria filosófica;

  14. Tratamento eticamente responsável da matéria literária;

  15. Defesa incondicional da razão crítica;

  16. Refutação de formas nocivas de razão cínica;

  17. Reconhecimento da relevância histórica, estética e humana da obra de Cruz e Souza.

 

Corpo Editorial

 

O corpo editorial de Sphera é formado por

 

  1. Editoria

  2. Webprodução

  3. Secretaria

  4. Conselho de Redação

  5. Conselho Editorial

  6. Conselho Consultivo

  7. Assistência jurídica

 

Com as seguintes atribuições:

 

A Editoria tem as seguintes atribuições: a) Estruturar a publicação; b) Produzir ou agenciar a produção de conteúdos fixos da publicação; c) Propor ou estimular a proposição de conteúdos; d) Receber e examinar conteúdos para publicação; e) Distribuir textos para pareceristas; f) Supervisionar processo de produção de conteúdos; g) Editar conteúdos;

 

A Webprodução tem as seguintes atribuições: a) Desenvolver site no qual a Revista será disponibilizada; b) Desenvolver webdesign da Revista; c) Receber e publicar conteúdos da Revista; d) Supervisionar a Revista no ambiente digital;

 

A Secretaria tem as seguintes atribuições: a) Facilitar diálogo entre membros do Corpo Editorial; b) Estabelecer diálogo com colaboradores da Revista; c) Supervisionar contatos entre leitores e a Revista; d) Acolher textos encaminhados para publicação; e) Organizar material impresso e digital remetidos à Revista.

 

O Conselho de Redação tem as seguintes atribuições: a) Cuidar da integridade da linha editorial da Revista; b) Propor pautas relevantes para a vitalidade jornalística da Revista; c) Produzir eventualmente ou estimular a produção de conteúdos por membros do Corpo Editorial da Revista ou colaboradores externos; d) Emitir parecer eventualmente sobre conteúdo jornalístico ou cultural encaminhado à Revista.

 

O Conselho Editorial tem as seguintes atribuições: a) Emitir parecer eventualmente sobre textos encaminhados à Revista por colaboradores; 2) Produzir ou propor produção de textos inéditos baseados em pesquisa acadêmica; 3) Coordenar ou propor coordenação por membro do Corpo Editorial ou externo de seleção de textos para edição especial de seções da Revista.

 

O Conselho Consultivo tem as seguintes atribuições: a) Propor pautas relevantes e autores para a Revista em consonância com sua linha editorial; b) Produzir eventualmente conteúdos jornalísticos, culturais, literários, acadêmicos ou científicos para a Revista; c) Fornecer orientações às demais instâncias do Corpo Editorial com vistas a assegurar a excelência do periódico.

 

A Assistência Jurídica tem as seguintes atribuições: a) Ofertar, sempre que solicitada, esclarecimentos sobre questões legais referentes à produção intelectual; b) Orientar Corpo Editorial, sempre que necessário, sobre temas como propriedade intelectual, liberdade de expressão e direitos autorais; c) Contribuir para o bom andamento da Revista em termos jurídicos.

Normas editoriais

 

1. Textos verbais escritos somente em língua portuguesa praticada nos respectivos países que tem a língua portuguesa como oficial, sem necessidade ao Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa que entrou em vigor em 01 de janeiro de 2006;

2. Textos visuais devem ser enviados em arquivo Jpg, Png ou Tif;

3. Textos sonoros devem ser enviados em arquivo MP3 ou MP4;

4. Textos audiovisuais devem ser enviados em arquivo WMV ou MJpg4;

5. Textos verbais, visuais, sonoros e audiovisuais enviados a SPHERA devem necessariamente se adequar aos seguintes gêneros discursivos e suas especificações:

  • Notícia literária de caráter analítico sobre Cruz e Souza, autores, obras, Simbolismo, literatura, artes, cultura do século XIX e questões afins;

  • Entrevista com autores, pesquisadores, artistas e personalidades diversas da vida social brasileira ou estrangeira sobre Cruz e Souza, autores, obras, Simbolismo, literatura, artes, cultura do século XX e questões afins;

  • Reportagem literária de caráter analítico sobre autores e fatos relevantes relacionados a Cruz e Souza e ao universo simbolista do século XIX brasileiro e estrangeiro e questões afins; Ensaio crítico literário, linguístico, historiográfico, sociológico, psiconalítico ou filosófico a respeito de obras de Cruz e Souza, obras sobre o poeta, autores, obras e temas relacionados ao Simbolismo brasileiro e estrangeiro;

  • Textos de crítica literária sobre obras de Cruz e Souza e de simbolistas brasileiros e estrangeiros, autores, obras e temas afins do Simbolismo;

  • Resenha crítica de obras de e sobre Cruz e Souza, bem como obras de e sobre autores simbolistas brasileiros e estrangeiros e autores, obras e temas afins do Simbolismo;

  • Texto memorialístico sobre Cruz e Souza, autores, personalidades da vida social, cultural, literária e política do século XIX, séculos anteriores ou posteriores vinculados ao poeta e ao Simbolismo;

  • Poema em verso ou em prosa;

  • Conto e miniconto;

  • Fragmento ficcional e poético;

  • Fragmento filosófico;

  • Crônica literária;

  • Peça teatral;

  • Roteiro cinematográfico.

6. Textos verbais enviados a SPHERA que se enquadrem nos gêneros discursivos de “A “ a “G” devem ser formatados em Word com as seguintes especificidades formais:

  • Margens superior, inferior e laterais de 2,5 cm;

  • Parágrafo de 1,5 cm;

  • Fonte Times New Roman;

  • Título em Corpo 16, Caixa Alta e Baixa, Negrito, Centralizado;

  • Nome de autor (a) em Corpo 14, Caixa Alta e Baixa, Normal, Centralizado;

  • Texto em Corpo 12, Normal, Justificado;

  • Intertítulo, quando houver, em Corpo 12, Negrito, Alinhado à esquerda;

  • Citações breves diretas e indiretas, de até três linhas, devem ser feitas no corpo do texto;

  • Referências a fontes bibliográficas de citações breves, até três linhas, devem ser feitas entre parênteses sem repetição do nome do autor (a) já mencionado. Exemplo: Luiza Lobo escreve que “Wordsworth propunha uma simplificação do vocabulário, um uso reduzido da metáfora” (1987: 09).

  • Citações extensas diretas, mais de três linhas, devem ser evitadas, mas, quando não for possível evita-las, devem ser feitas após dois pontos, com recuos laterais de 5 cm, usando-se aspas no início e no fim da citação, no mesmo Corpo do texto, isto é, 12. Ano da publicação e número de página deve vir entre parênteses ao final do trecho citado; números devem ser separados por hífen quando se tratar de trechos retirados de mais de uma página.

  • Citações diretas e indiretas devem conter, entre parênteses, quando se tratar de trecho ou ponto de vista acessado a partir de outro (a) ou outros (as) autores (as), o ano do texto original e, na sequência, o ano do texto utilizado e o número ou números de página separados por hífen. Exemplo: Luiza Lobo cita Wordsworth no prefácio às Baladas líricas:

​“Escolheu-se, de modo geral, a vida humilde e rústica, porque nesta condição as paixões essenciais do coração encontrar melhor solo para atingirem a maturidade, sofrem menos restrições e falam numa linguagem mais clara e enfática”. (1800; 1987: 09).

  • Quando se tratar de citação direta de texto em língua estrangeira, a tradução para a língua portuguesa deve ser apresentada em seguida com a mesma formatação, isto é, recuos laterais de 5 cm e aspas no início e ao final, com indicação, entre parênteses, de ano, página e tradutor, com esta palavra abreviada, isto é, Trad., sempre com o T maiúsculo;

  • Quando se tratar de citação direta de texto, com recuos, o texto autoral deve seguir num próximo parágrafo com recuo normal de 1,5 cm;

  • Não se admitem Notas de Rodapé ou Notas ao Final do texto;

  • Referências bibliográficas devem vir ao final do texto sob o título apenas de Referências em negrito, com a indicação de sobrenome do autor, iniciais de nome, ano de publicação entre parênteses, título da publicação em negrito, subtítulo da publicação, quando houver, em negrito, nome de cidade e editora. Exemplos de Referências bibliográficas a conteúdos publicados em revistas e livros impressos:

Baptista, A. B. (2002). Oficina irritada. In Inimigo Rumor, n. 13. Rio de Janeiro; Lisboa, 7 Letras; Cotovia; Angelus Novus.

Compagnon, A. (2011). Os antimodernos: de Joseph de Maistre a Roland Barthes. Trad. Laura Taddei Brandini. Belo Horizonte, Editora UFMG.

Lamartine, A. (1918). Primières méditations poétiques. In Francisque Vidal e Louis Denise, Idées et doctrines du XIXè siècle: extraits des préfaces, traités et autres écrits théoriques. Paris, Librarie Delagrave.

Lobo, L. (1987). Teorias poéticas do Romantismo. Tradução, seleção e notas Luiza Lobo. Rio de Janeiro; Porto Alegre, Editora UFRJ; Mercado Aberto.

 

Paes, J. P. (1996). Gaveta de tradutor: versões de poesia. Florianópolis, Letras contemporâneas.

  • Referências a conteúdos digitais disponibilizados em ambientes diversos devem seguir as mesmas orientações estabelecidas para conteúdos impressos, acrescentando-se a Web na qual o conteúdo está disponibilizado e data de acesso.

Exemplo: Agostinho, L. D. (2008). O jovem Mallarmé. Disponível em http://www.scielo.br. Acesso 28.02.21.

  • Tratando-se de conteúdo inédito, não disponibilizado ainda em nenhuma publicação digital, fonte primária, deve-se apresentar link de acesso restrito ou e-mail através do qual interessados (as) possam acessá-lo.

 

7. Textos verbais enviados a SPHERA que se enquadrem nos gêneros discursivos de “H “ a “N” podem ser formatados livremente, de acordo com conveniências autorais;

 

8. Todos os textos enviados a SPHERA devem ser acompanhados de mensagem de e-mail contendo Declarações e Autorizações assim:

Encaminho material para publicação pela revista SPHERA. Declaro que conheço as Normas Editoriais do Periódico. Declaro que conteúdo é inédito nas modalidades impressa e digital. Declaro que conteúdo é de minha própria autoria. Responsabilizo-me inteiramente por todas as suas implicações de caráter ideológico. Autorizo publicação desse conteúdo exclusivamente pela revista SPHERA sem qualquer ônus relativo a direito autoral. Declaro ainda que não submeti esse conteúdo a outra publicação impressa ou digital no seu todo ou em parte. Nome, CPF, Endereço.

 

9. SPHERA elege a assinatura do seu autor-objeto em conformidade com a Certidão de Casamento do autor, seus livros publicados em vida e outros documentos: CRUZ E SOUZA, com a letra Z, em discordância com o “SOUSA” português, o que configura um Nome-de-Autor como sensível rasura anticolonialista;

 

10. Questões não mencionadas nestas Normas serão dirimidas pela Editoria em diálogo com o Conselho de Redação de SPHERA.

A Direção de Sphera: Habitações do Encantado e seus respectivos Conselheiros não se responsabilizam pelo teor de quaisquer dos conteúdos publicados, os quais não expressam necessariamente opinião da Revista. Seus autores são inteiramente responsáveis por quaisquer implicações de ordem ética, ideológica e humanitária. A liberdade de expressão no Brasil é  garantida pela Constituição Federal em seu Artigo V, Inciso IX: "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença".