• Revista Sphera

“Quilombo”, antologia de autoria negra recém-publicada na Argentina, por Ronald Augusto

Atualizado: 10 de nov. de 2021

Literatura branca e aquilombamentos



Quilombo: Cartografía de la autoría negra brasileña (Tinta Limón Ediciones, 2020) é o título de uma antologia recentemente publicada na Argentina. Uma das questões – talvez a mais recorrente – que surgiu a partir da recepção crítica daquele país e que Lucía Tennina, organizadora da coletânea, foi instada a responder, diz respeito ao seguinte: “Por que fazer uma antologia de autoria ‘negra’ brasileira e não uma antologia simplesmente?”. A reposta da organizadora aparece em texto que integra a obra. Entretanto, apresento aos leitores minha opinião – ou algumas considerações – sobre o assunto.


Mas, antes, cumpre observar que há mais ou menos trinta anos, essa era também uma dúvida recorrente e frequentemente oriunda da parte de escritores e intelectuais brancos brasileiros quando se deparavam com livros organizados a partir de análoga linha de corte e seleção. Tais obras soavam como gestos sem sentido, como se representassem um crime de lesa universalidade relativamente aos valores consagrados da literatura. Hoje o panorama é bem outro. Grandes editoras começam a publicar livros de autores negros como se fosse a coisa mais natural do mundo. É irônico porque essas mesmas editoras até há pouco tempo sempre se mostraram soberanamente indiferentes à produção dos escritores negros, concordando com a suspeita infundada do sistema literário a respeito da “qualidade literária” desses autores.


Voltemos à pergunta. Por que fazer uma antologia de autoria negra brasileira e não uma antologia simplesmente? Porque na verdade, não obstante as tentativas eruditas de convencimento, não existe uma “literatura brasileira”, o que temos mesmo é uma literatura branca brasileira, desde sempre defendida pela noção de fachada da universalidade ou de uma vaga brasilidade apaziguadora de todos os conflitos. De certo modo, quando surge a reivindicação de uma literatura negra o que também é trazido à luz é o engodo de que a literatura não tem cor. Assim, quando o Silvio Almeida argumenta, por exemplo, que o racismo estrutural inventa o branco e o negro, isso significa que é preciso também que o escritor branco se reconheça como tal, em vista da desejada superação dos horrores produzidos pelo racismo naturalizado. A crença em uma literatura brasileira contente de sua formação apontada para a universalidade, para uma espécie de ser brasileiro pretensamente pós-racial, é uma das faces da negação do racismo no âmbito da criação literária. Em termos práticos, uma antologia de poetas e escritores negros reforça a necessidade de romper o silêncio cínico do sistema literário relativamente a essa produção.


Outro tópico interessante para a discussão se refere ao modo como uma parcela do público leitor nutre a expectativa de que autoras e autores negros sempre abordarão questões étnico-raciais em suas produções. Esta seria uma expectativa razoável ou justa? O que explicaria tal expectativa?


Digamos que a expectativa é, sim, um fato na economia das significações dos poemas, contos e romances criados por esses escritores. Contudo, não concordo com a expectativa. Vejamos algumas coisas. A produção literária dos escritores negros reunidos ao abrigo do conceito de literatura negra, produção que também é conhecida como literatura de autoria negra, afro-descendente, afro-brasileira e negro-brasileira, nas últimas décadas tem sido objeto de larga fruição e análise tanto na área acadêmica, quanto na dinâmica do sistema literário em sentido mundano. Ainda que as conquistas devam ser festejadas, escritores, leitores e pesquisadores envolvidos com essa produção sabem que o esforço para a ampliação da diversidade do cânone e do mercado literários – um dos pressupostos dessa literatura – revela-se como um trabalho muito árduo.


Minha intervenção nessa discussão procura se constituir também em um movimento na direção de prestar o devido respeito estético-crítico à produção desses escritores e poetas negros, porém entendendo que a variedade dessa produção deve ser abordada como manifestação de extração necessariamente literária. Abordagens desse tipo, aliás, não têm merecido um investimento de análise mais forte, uma vez que aspectos extra-literários em alguma medida têm sido mais prestigiados pela recepção contemporânea. A razão para esse tipo de recepção se explica em parte porque o sistema literário é a representação especular, embora com suas singularidades, de uma série de determinações sociais, raciais e econômicas abrigadas sob o arco ideológico. Não resta dúvida de que a literatura tem relação com o pano de fundo social e histórico, porém ela não é simples emanação do contexto, nem serve de mero sucedâneo a aspectos identitários ou de classe.


Contra tal expectativa defendo o surgimento e o reconhecimento de outras vozes poéticas contemporâneas negras de modo a redefinir ou alargar o conceito de literatura negra e até mesmo fazê-lo vacilar. Porque na medida em que mais prestigiado e respeitado se torna o conceito, mais justificados são os gestos de eleição e exclusão – suportados pelo conceito – articulados às tentativas de dar solução explicativa e classificatória à diversidade de vieses estéticos que começam a surgir aqui e acolá.


Minha crítica objetiva demonstrar que o conceito – que sustenta essas expectativas meio convencionais – não é senão uma espécie de escada ou de ferramenta cuja utilidade é provisória. Tem alguma serventia para as condições atuais, não há dúvida. Contudo, os poemas e as novas criações do presente vão impor aos teóricos e pesquisadores a necessidade de pensar em outros óculos de análise na medida em que seja imprescindível mirar o quadro que avança sobre eles.


Em conjunção com as interpretações sobre a diversidade de modos como a produção literária de negros tem se manifestado, a demarcação do conceito de literatura negra se constitui em uma espécie de intervenção de cunho antológico lato sensu, isso porque o conceito acaba fazendo as vezes de uma plataforma seletiva que retém em suas malhas valorativas apenas os textos daqueles escritores confirmadores do modelo ou conformados ao modelo.

168 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo